MELHOR IDADE

Ai, meu coração!

- Ai, meu coração, onde está você?

- Onde estou? Numa linda caixa, rodeado pelos ares do mundo, por aromas nunca vistos, só inalados. Repouso sobre o maior músculo do corpo, o diafragma, que é distendido como uma lona de circo quando você respira.

- Lona de circo?

- Sim! Talvez já comece daí o suporte de que preciso,  ALEGRIA, muita alegria! Sou apenas um músculo, mas um músculo muito especial, que se transformou para receber e responder a todas as emoções do corpo humano!

- Mas, parece um músculo muito especial, mesmo!

- Sou, sim pois dentro da barriga de sua mãe (por que não minha mãe também!), já respondia com você às emoções que ela e o mundo lhe enviavam. Às vezes, enquanto você dormia, eu continuava a responder por você às mensagens que ela lhe mandava, e ainda respondo no seu sono, hoje em dia, às mensagens que seu cérebro me envia e de que você nem sempre toma conhecimento.

- Ouço sempre suas batidas e elas me confirmam que estou vivo, não é?

- É! Acho que tenho um ritmo bem cadenciado, como um belo sambinha; mas.... tenho cá comigo minhas variações sobre um mesmo tema e o meu tema é sempre EMOÇÃO! Por isso podem me ver até como um tango de Gardel se meu tema virar PAIXÃO. E como dói essa tal paixão!

- Dói? Você sente dores por mim?

- Só sei quando este e outros sinais parecidos vêm para mim, você está sofrendo e aí começo a ter solavancos, ou me desespero a correr e a tropeçar no meu ritmo.

- Eu faço isso tudo com você?

- Como você pode me fazer mal assim? Você mistura tudo: amor e ódio, alegria e tristeza, medo e apego, e isso é muito ruim para mim.

- É..... Mas é tão difícil entender os sentimentos!

- Se eu adoeço, você também adoece, e aí vêm mais emoções ruins: melancolia, saudade, angústia.... e aí eu sinto a dor do mundo através de você e começo a me fazer presente, mesmo sem querer: não acerto o ritmo, fico cansado, ou disparo com o seu medo e a sua raiva, entro em arritmias de vários tipos, como se os instrumentos de uma orquestra começassem a desafinar, ou batessem fora do compasso.

- Ai, estou assustado com você. Vamos ao médico!

- Conforme for esse doutor aonde nós iremos, ele poderá curar você apenas com umas palavrinhas, com atenção e carinho, mas também poderá falar duro e firme com você para não se machucar mais e para não me matar de sobrecargas. Eu não mereço, eu sou seu, sinto sempre com você!

- Chorar? Não fica bem um homem chorar!

- É; por isso você me bate tanto, que começo a ficar ferido, intoxicado, entupido de porcarias e meus “canudinhos de alimento” começam a fechar. Se me ferem muito, faço uma angina, que é o meu pedido de socorro quando não suporto mais tanta dor. Aí você começa a sentir a minha dor física ou então morro um pedacinho, que é o infarto,  e você começa a entender o que fez comigo e com você.

- Ai! Que dor insuportável! Rápido, não quero morrer, chamem um médico!

- Ah! Agora você tem que parar porque é pra valer e o medo maior é o de morrer fora de hora “por causa de seu coração”. Mas..... culpa minha? Eu avisei o tempo todo, errei o compasso, bati, gritei, sofri, e você não ouviu. Pronto! Agora estamos na UTI. Ou vai ou racha! Me bota de repouso, me culpa, me faz exames, me enche de fios, e me troca alguns canudinhos, isso tudo por medo da Dona Morte!

- Ai, meu Deus, me ajude! Eu prometo largar meus vícios, prometo me cuidar, me salve!

- Ah! Agora promete tudo, até amor, para ficar bom! Só esquece que é só disso que eu vivo, Amor é o meu alimento. Mas você não consegue entender que Amor e Alegria são o casal perfeito para nos fazer viver felizes para sempre!

- Eu aprendi a conhecer você, meu coração, nesses dias de desespero, e já chorei muitas das minhas dores. Preciso de você forte para também ter saúde e bons sentimentos.

- Que bom, quando há males que vem para bem! Vamos juntos procurar a Dona Saúde! (os dois juntos) – Só os sentimentos bons nos fazem viver! Deixemos que eles entrem em nossas vidas e aí poderemos discernir alho de bugalho, perfume de veneno, só pelo prazer que daremos ao nosso coração e ao nosso corpo.

- Você, saindo da UTI, prometa e cumpra: trate-se bem e trate-me bem. As culpas são suas? Expulse-as, tratando também e muito bem de seu cérebro, que nos manda as mensagens de atenção plena conosco sempre. Abra-me sem medo aos sentimentos que regem a Paz no mundo e procure compreender que eu e você somos parte de um todo (eu, parte – você, todo) e, como num grande baile, todos dançamos a mesma música e a cada descompasso de um o todo desafina na DANÇA DA VIDA!

Dra. Nelia Maia Freitas
Médica Homeopata e Cardiologista
Rua do Catete, 347 sl. 727
Largo do Machado

voltar